domingo, 9 de outubro de 2011

Fotos Das Obras - 08/10/2011

Novas fotos das obras, tiradas por membros da comunidade Grêmio Arena Oficial.








2 comentários:

Tiago D'Arrigo Gama disse...

Deputada Manuela,

Eu, gremista, entendi tua postura. Pois bem, temos que defender as copas no RS, no que tange este mês a Copa das Confederações.
Sim, o estádio escolhido pela FIFA para a Copa do Mundo foi o estádio Beira-Rio. Há 2 anos atrás. Mas naquela data as situações eram adversas às de hoje.
Naquele tempo o Grêmio ainda engatinhava o seu estádio, já havia escolhido seu parceiro, mas ainda estava definindo contrato, e esperava por uma série de licenças, inclusive ambientais e da infraero. Sendo que somente começou a construção de seu estádio em setembro de 2010.
Como sabemos o estádio Beira-Rio já existe, e isto foi determinante para a escolha feita pela entidade maior, FIFA.
Na minha opinião o Internacional criou um projeto, com marina e tudo mais, parecendo Dubhai ou Qatar. Prometendo construir tudo com recursos próprios. Isto com certeza fez encher os olhos da FIFA. Todos nós sabemos que o Internacional, assim como o Grêmio, é um clube milionário, mas não é tanto também.
Fazendo um paralelo vejo que o Inter cometeu um erro ao não definir um parceiro desde cedo. Tão somente agora, não conseguindo mais esconder que não conseguiria construir seu projeto sozinho, resolveu procurar parceiro. Ainda não tendo a assinatura de contrato, está neste impasse desde maio até hoje.
Seguindo o paralelo, o Grêmio fez diferente. Primeiro procurou um parceiro, então fez um projeto modesto, sabendo que não seria o proprietário de todo ele. Definiu a forma de financiamento, e hoje está com o cronograma de obras em dia. Dentro disto, o Grêmio foi para o Humaitá, não só pelo terreno, mas também porque existe um plano-diretor de investimentos da prefeitura para o extremo norte de Porte Alegre, que é a ligação com a região metropolitana e que é chamada de Corredor de Desenvolvimento. Hoje estes investimentos para a região tem sido diminuídos e, o entorno da Arena deveria ter também a mesma atenção da prefeitura.
A questão que se coloca hoje é de que o tempo para a escolha das sedes para a copa das Confederações está se esgotando. E o RS precisa ter um estádio para representa-lo. Vejamos, o Grêmio está com seu cronograma em dia, tendo a empreiteira que construirá seu projeto definida e, com todas as questões pertinentes tratadas. Enquanto o Internacional, vem tardiamente tratando de se acertar com uma empreiteira, ainda não tendo garantias, e com suas obras embargadas.
O Grêmio está perdendo todo o apoio, nas 3 esferas do poder público, por uma questão que já passou para o âmbito do clubismo. Com todo o respeito ao poder público, considero isto um desrespeito e um descaso com quem está com os cronogramas, de suas obras, em dia. E que pode, sim, oferecer seu novo estádio para a realização dos jogos.
Esta é a minha visão, sei que diverge de outras, que circulam pela internet, mas eu defendo nisto o Grêmio não só por ser meu clube do coração, mas sim pela maneira que agiu desde os estudos iniciais de seu empreendimento.

Tiago D’Arrigo Gama.

Abel Abelha disse...

Por Alexandre Alliatti Porto Alegre

Teixeira avisa Federação Gaúcha: Copa pode ser na Arena do Grêmio
Teixeira oficializa ausência de Porto Alegre da Copa das Confederações e faz alerta ao Inter: 'Chega de nhenhenhem'

Porto Alegre não será uma das sedes da Copa das Confederações. E a culpa é do Inter. O raciocínio é do presidente da CBF e do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo, Ricardo Teixeira. Foi o que ele disse na noite desta quarta-feira para o presidente da Federação Gaúcha de Futebol, Francisco Novelletto. E não é a pior notícia para os colorados: Teixeira começa a cogitar a Arena do Grêmio como sede para a Copa do Mundo.
Faltou o Inter assinar o contrato com a construtora Andrade Gutierrez, sua parceira nas obras. O clube alegava que isso não seria determinante para a escolha das sedes da Copa das Confederações para a Fifa. Na visão de Teixeira, era, sim, fundamental ter a papelada.
- Ele me falou que não chegou o documento, que não tem garantias e que só um milagre nos salva. Ele me disse: ‘Gaúcho, aqui não tem promessa. O Inter protelou diversas vezes’ – comentou Novelletto.
A Federação Gaúcha de Futebol concorda com o argumento de Teixeira. Discorda do raciocínio do Inter de que a assinatura do contrato não era necessária para receber a Copa das Confederações.
- Como não? O prazo é um ano atrás. O Teixeira me falou: ‘Chega de nhenhenhem, gaúcho’.
Arena do Grêmio é citada
A conversa também serviu para ressuscitar a esperança do Grêmio de receber a Copa do Mundo de 2014. Teixeira deixou claro para Novelletto: se o Inter não se mexer, a Arena, futuro estádio do Tricolor, em construção, é alternativa.
- Ele está preocupado com o Rio Grande do Sul. Disse que tem a Arena como opção. Se o Beira-Rio não andar, tem a Arena. Não precisa ser muito inteligente para concluir isso. Que outro estádio a gente teria?
A situação é preocupante para o Inter. A própria diretoria colorada admite que a opinião de Teixeira é determinante no processo de escolha das sedes. E o dirigente parece ter perdido a paciência com a demora na assinatura do contrato entre o Inter e a Andrade Gutierrez. As obras no Beira-Rio, por causa da pendência, estão paradas há quatro meses.
Nesta quarta-feira, o clube e a construtora estiveram reunidos em São Paulo. O presidente do Inter, Giovanni Luigi, disse a Novelletto que “está tudo redondo” no contrato, mas que a Andrade Gutierrez é fugidia.
Beira-Rio tem apoio oficial
O Grêmio faz pressão política para fortalecer sua Arena. Mas prefeitura de Porto Alegre, governo do Rio Grande do Sul e governo federal tratam o Beira-Rio como sede gaúcha da Copa do Mundo. No dia 7 de outubro, em visita ao estádio do Inter, o ministro do Esporte, Orlando Silva, disse que a Arena do Grêmio não estava no debate para o Mundial. Ele afirmou escutar do Inter que o Gigante estaria reformado dentro de um ano.
A reportagem do GLOBOESPORTE.COM tentou contato, sem sucesso, com o presidente do Inter, Giovanni Luigi, e com o presidente da comissão de obras do Beira-Rio, Luís Anápio Gomes. Nenhum deles atendeu ou retornou as ligações. São os dois principais dirigentes do Inter envolvidos nas reformas do estádio e na assinatura do contrato com a Andrade Gutierrez.